Mensagem da Presidente

Na qualidade de Presidente da Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de São Brás de Alportel, cargo que assumimos no passado dia 6 de janeiro, em conjunto com os demais membros dos órgãos sociais, dirijo aos sócios, aos bombeiros, aos dirigentes e a si, o nosso agradecimento pela vossa confiança.

Presidir a esta instituição, com uma história de 90 Anos e fundada nos nobres sentimentos de ajuda ao próximo, só fará sentido de for como uma missão partilhada e sentida por todos os cidadãos e com todos os são-brasenses, em particular.

Uma MISSÃO voluntária, exigente e quase permanente, em que o Corpo de Bombeiros assume o papel fundamental na capacidade, competência, disponibilidade e entrega, que se manifestam na procura da melhor resposta ao socorro e à defesa de pessoas e bens, para São Brás, no Algarve ou em qualquer zona do país, se assim for necessário.

É para mim uma experiência pessoal que, creio, será mais rica a cada dia! Mas sobretudo será uma honra servir, com todos os nossos Bombeiros, Serviço Administrativo e afins, Direção, Conselho Fiscal, Assembleia Geral e Sócios, uma Instituição merecedora de todo o apoio, reconhecimento e carinho e nesse contexto servir também São Brás de Alportel, um Município que significa muito para todos nós.

E indiscutivelmente é fundamental a confiança já manifestada no Comando, nas pessoas do Comandante Vítor Martins e do 2º. Comandante Salvador Gonçalves, e em quem diariamente assume os seus compromissos com esta Casa e com o Socorro.

Um Corpo de Bombeiros com um diminuto quadro de assalariados e muito, muito trabalho Voluntário para um número diário de serviços para os quais se deseja dispor dos necessários meios e recursos operacionais.

Pelo que, procuraremos ao longo deste mandato de três anos e na expetativa de um possível novo quadro legislativo de profissionalização para os bombeiros, exercer o nosso melhor e com toda a equipa dar continuidade ao projeto até aqui “construído” e com abertura a novas etapas.

E acima de tudo, exercer a nossa função em nome da afirmação e do reconhecimento devido aos Homens que abraçam a cada dia a nobre missão de salvar vidas.

Para que, na palavra Bombeiro, não oiçamos apenas, coragem, bondade e entrega mas também competências, responsabilidades, carreira e dignidade.

Esta Casa está ao serviço de todos e todos deseja acolher.

Bem haja,
Custódia Reis

Mensagem do Comandante

Caríssimos Bombeiros, Sócios e Visitantes!

Recordo com emoção, o momento em que tomei posse no cargo de Comandante no dia 18 de dezembro de 2011, tendo esse dia sido um marco importante na minha vida pessoal, e na vida da Associação, pois nesse dia seria nomeado o quinto Comandante da sua história. Ser nomeado Comandante do Corpo de Bombeiros é por si só um enorme desafio, com responsabilidade acrescida por suceder a Comandantes como Manuel Pires Rico, Jorge Gouveia, Manuel João Faísca e João Meira da Silva.

Relembro que a nossa Associação, é a mais antiga do concelho ao serviço da comunidade, fundada a 27 de agosto de 1927, estando na sua origem um violento incêndio urbano, que eclodiu numa fábrica de cortiça do concelho, motivo que levou Manuel Pires Rico a desafiar um grupo de são-brasenses a criar um Corpo de Bombeiros, ideia que foi apoiada por várias gerações de homens e mulheres que com altruísmo, coragem, abnegação e espírito de missão, souberam ao longo dos anos, elevar o nome dos Bombeiros Voluntários de São Brás de Alportel.

Atualmente dispomos de um quartel sede e de um parque de veículos operacionais que têm vindo a ser renovados e adaptados à nossa realidade, com o empenho das várias equipas de Direção da Associação. No respeitante ao capital humano, continuamos a apostar na formação e qualificação dos nossos Bombeiros, com o objetivo de reforçar o espírito de corpo, e de melhorar a nossa resposta operacional, na defesa de vidas, do património e do ambiente.

Aos homens e mulheres que ao longo destes anos têm contribuído, direta ou indiretamente, de forma dedicada, desinteressada e solidária, e souberam dignificar e honrar a Associação e o seu Corpo de Bombeiros em todas as missões que lhes foram confiadas, prescindindo das suas horas de descanso e da presença dos seus familiares, para todos eles o meu sincero respeito e gratidão.

O Comandante

Vítor Martins

Associação

A Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de S. Brás de Alportel, é uma pessoa colectiva de utilidade pública administrativa, com personalidade jurídica e sem fins lucrativos, tendo a sua sede na Freguesia de S. Brás de Alportel, Concelho de S. Brás de Alportel.


Tem como escopo principal a protecção de pessoas e bens, visando essencialmente a protecção e socorro desinteressado de vidas humanas, outros seres vivos e bens em caso de sinistro, bem como cooperar com outros agentes de protecção civil, nos termos da lei, detendo e mantendo em actividade, para o efeito, um corpo de bombeiros misto, com observância do definido no Regime Jurídico dos Corpos de Bombeiros e demais legislação aplicável.


Com estrita observância do seu fim não lucrativo e sem prejuízo do seu escopo principal, a Associação pode desenvolver outras actividades, desde que permitidas por deliberação da Direcção, nomeadamente: prestação de cuidados de saúde, actividades desportivas, culturais e recreativas, conducentes a uma melhor preparação física e intelectual dos seus associados, actividades de carácter social de apoio e protecção à infância, à juventude, à deficiência e aos idosos ou em qualquer situação de carência que justifique uma actuação pró humanitária, podendo ainda desenvolver outras actividades, a título gratuito ou remunerado, nomeadamente a prestação de serviços, comerciais ou industriais, individualmente, ou através de parceria, associação ou por qualquer outra forma legalmente prevista, desde que permitidas por deliberação da Assembleia Geral e os lucros dessas actividades revertam para os seus fins estatutários.


A Associação tem um Capital indeterminado e um número ilimitado de associados que concorrem para o património social, através do pagamento de uma quota anual, no valor mínimo a fixar pela Direcção.


Constituem atribuições desta Associação Humanitária:
a) Deter e manter em actividade um Corpo de Bombeiros misto, com observância do definido no regime jurídico dos corpos de bombeiros.
b) Exercer os direitos e as funções que lhe sejam atribuídas por lei;
c) Manter e fomentar o relacionamento institucional com os demais agentes de protecção civil, a nível local, regional, nacional e internacional;
d) Manter e fomentar o relacionamento institucional com as organizações representativas das associações humanitárias de bombeiros, a nível distrital e a nível nacional;
e) Manter e fomentar o relacionamento com os organismos oficiais locais, regionais e nacionais em especial com os de tutela do sector da protecção civil e dos bombeiros;
f) Representar os seus associados em todas as situações de interesse geral;
g) Estabelecer relações e acordos com outras entidades, públicas ou privadas, nacionais ou internacionais e assegurar o seu fiel cumprimento;
h) Pronunciar-se sobre projectos de natureza legislativa e normativa que versem sobre questões dos sectores associativo, da protecção civil e dos bombeiros, em particular, bem como sobre todas as matérias que sejam submetidas à sua apreciação pelas entidades competentes;
i) Constituir, promover ou participar, por sua iniciativa ou em colaboração com outras entidades, parcerias, sociedades, grupos de trabalho, comissões especializadas, ou integrar comissões, ou órgãos consultivos, de outras entidades, locais, regionais ou nacionais, bem como promover, designadamente, a realização de encontros, conferências, viagens de estudo, concursos e outras acções tendentes a dignificar, valorizar e divulgar a Associação bem como a fomentar a formação, preparação, treino e intervenção dos bombeiros;
j) Promover o alargamento de acções, visando o benefício dos associados e de quantos participam das suas actividades específicas;
k) Promover a organização de iniciativas baseadas no princípio da cooperação, tendentes a obter a autonomia económica e financeira da Associação;
l) Desenvolver, com estrita observância do seu fim não lucrativo e sem prejuízo do seu escopo principal, outras actividades, a título gratuito ou remunerado, individualmente ou em associação, parceria ou por qualquer outra forma societária legalmente prevista, com outras pessoas singulares ou colectivas, desde que permitidas por deliberação da Direcção ou da Assembleia Geral;
m) Decidir os conflitos que sejam submetidos ao Conselho Disciplinar;
n) Fomentar o espírito do associativismo e do voluntariado junto da população e das entidades públicas e privadas;
o) Disponibilizar aos associados informações atempadas e correctas, relativamente às matérias que são da sua competência e atribuição;
p) Promover a boa imagem da Associação e dos Bombeiros junto dos meios de comunicação social;
q) Cumprir e fazer cumprir a lei e os regulamentos em vigor, no âmbito das suas competências;


O Estandarte é o símbolo representativo da Associação e simultaneamente do Corpo de Bombeiros por ela detido.
24 horas, 365 Dias por ano, sempre a servir o próximo “Vida por Vida, Soldado da Paz”