História

No Verão muito quente de 1927, eclodiu um violento incêndio urbano, numa fábrica de cortiça localizada na actual Rua João de Deus na vila de São Brás de Alportel.
O sino da Igreja Matriz tocou a rebate e a população, em grande número, compareceu no local do sinistro, tentando a todo o custo debelar as chamas alterosas que a pouco e pouco iam destruindo o edifício. Perante a incapacidade dos meios ao seu dispor e o nervosismo de todos os assistentes e colaboradores, as chamas teimavam em prosseguir a sua destruição.


Em determinada altura e depois de atingida quase a exaustação surge a voz de Manuel Pires Rico, exclamando:
” Quem me ajuda a fundar um Corpo de Bombeiros?”
De imediato apareceu a voz do distinto médico Dr. Alberto de Sousa que disse:
” Podes contar comigo materialmente já que tecnicamente pouco ou nada poderei fazer”.

A estes dois cidadãos juntaram-se, António Bentes, João da Cruz, entre muitos outros, todos eles preenchidos de muito boa vontade e espírito de solidariedade. Foi criada uma comissão de São-brasenses, incluindo muitas senhoras que começaram a angariar fundos para prosseguir a ideia inicialmente manifestada por aqueles anteriormente mencionados. Fizeram-se festas, récitas, bailes e tudo quanto achavam necessário para angariar os fundos necessários para levar em frente tão grande e bela cruzada.

A determinada altura surge a necessidade de se constituir uma sede, onde a comissão reunisse e os aspirantes a bombeiros voluntários, recebessem as aulas necessárias para a sua aprendizagem.

Após inúmeras dificuldades, ainda que houvesse da parte da população muita vontade em colaborar, no dia 27 de agosto de 1927, foi criada a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Alportel.

Simultaneamente foi criado um Corpo de Bombeiros tendo-se procedido à angariação do material mínimo indispensável para a instrução dos voluntários que se apresentaram ao chamamento. Por unanimidade foi escolhido o Sr. Manuel Pires Rico para Comandante do Corpo de Bombeiros, onde se conservou durante cinquenta anos sem qualquer interrupção. Contudo os seus conhecimentos técnicos eram mínimos, tendo as corporações vizinhas, mais experientes, colaborado em ministrar acções de formação e ensinamentos, necessários ao desempenho da nobre missão para a qual se propunham.

A partir de então e com o evoluir dos acontecimentos, foram surgindo as dificuldades inerentes à realização de todos os sonhos: falta de material, falta de uma sede para recolher o material de socorro existente, assim como para convívio de todos os associados.

Atendendo à enorme dificuldade na aquisição de uma sede condigna, verificou-se aos poucos, o afastamento de sócios, assim como o incumprimento no pagamento das suas quotas.

Por alvará do Governo Civil do Distrito de Faro, de 16 de junho de 1930 foi legalizada a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Alportel.

Em 1974, apareceram alguns oportunistas, apoiados por um comandante de Bombeiros vizinho e por um funcionário do Governo Civil com o objectivo de expulsar o Comandante Pires Rico. Contudo, mais uma vez, a população de S. Brás de Alportel, impediu que tal intenção tivesse o sucesso, sendo que o mesmo continuou a dirigir os destinos do Corpo de Bombeiros até 25 de novembro de 1977.

É nessa data nomeado Comandante o então 2° Comandante Sr. Jorge de Deus Sacramento Jardim Soares de Gouveia, que já desempenhara funções de Ajudante de Comando durante o período de 29 de junho de 1950 a 27 de agosto de 1954.

Foi durante o período de Comando do Sr. Jorge Gouveia, que a Direcção em gestão desde 1977, sob a presidência do Sr. António José Pires Bica, que em 1983, com o apoio de um São-brasense ilustre com grande influência junto do Governo da Nação, conseguiu a aprovação de um projecto para a construção de um edifício para sede da Associação Humanitária e instalação do seu Corpo de Bombeiros. É inaugurada a 07 de abril de 1985.

Com a passagem ao Quadro Honorário do Sr. Comandante Jorge Gouveia em 28 de fevereiro 1989, foi o Corpo de Bombeiros comandado interinamente até 30 de abril de 1990 pelo então Ajudante de Comando Sr. Teodomiro Pereira Neto Alves. Nesta data, a convite da Direcção, presidida pelo Sr. António Augusto Moita dos Santos , é nomeado Comandante o Sr. João Meira da Silva, desempenhando funções até 12 de abril de 1999 altura que passou, a seu pedido, ao Quadro de Honra da Associação. Assume interinamente como Comandante, o Ajudante de Comando Victor Miguel, actualmente 2º Comandante do Quadro Honra, tendo cumprido essa função até 26 agosto de 1999.

Em 20 março 1998 esta Associação debate-se com um problema complexo, visto não haver ninguém que assumisse a Direcção. É então formada uma Comissão Administrativa dirigida pelo Sr. Miguel Borralho, Sr. Arménio Cascalho e Sr. Evaristo Viegas.

A Direcção foi retomada em 5 junho de 1998, sob a orientação do Sr. Miguel Borralho.
No dia 27 agosto de 1999, a convite da Direção, assume como Comandante o Sr. Manuel João Dias Faísca, em tempos já tendo desempenhado as funções de 2º Comandante, sob o Comando do Sr.Jorge Gouveia, e que propõe para 2º Comandante o Sr. Victor Custódio Ferradeira Miguel e para Adjunto de Comando o Sr. Alexandre Guerreiro Madeira. Desempenharam estas funções até 2003.

Em de janeiro de 2004, após demissão a seu pedido do Comandante Manuel J. D. Faísca, que transita para o Quadro de Honra, a convite da Direcção, o Comandante João Meira da Silva reassume novamente, com os mesmos elementos, o comando do Corpo de Bombeiros.

Em setembro de 2006, após pedido de passagem ao Quadro de Honra do 2º Comandante Victor Miguel, é reformulando o comando, tendo sido nomeados novos cargos, o 2º Comandante Alexandre Guerreiro Madeira e Adjunto de Comando Pedro Miguel do Carmo Dias.

A 28 Setembro de 2011, a seu pedido, o Comandante João Meira transita para o Quadro de Honra, assumindo o Comando em regime de substituição, o Oficial Superior (spn), Alexandre Madeira.

A 18 dezembro de 2011, a convite da Direcção, toma posse como Comandante, o Sub-chefe do Quadro Ativo Vítor Rosa Martins (Lic.), nomeando para 2º Comandante, o Sub-Chefe Salvador Inácio Piteira Gonçalves.

De salientar os Presidentes de Direção que passaram por esta Associação, tendo todos eles, desempenhado papéis relevantes e fundamentais para o desenvolvimento da mesma;
Sr. António José Pires Bica, 18 março 1977 a 19 setembro 1989;
Sr. António Augusto Moita dos Santos, 20 setembro 1989 a 20 outubro 1991;
Sr. José Nunes de Oliveira e Sousa, 21 outubro 1991 a 20 fevereiro 1994;
Sr. Armando Ventura, 21 fevereiro 1994 a 17 março 1998;
Sr. Miguel da Silva Borralho, 18 março 1998 a 29 março 2004;
Drª. Nídia de São José Amaro, 30 março 2004 a 06 março 2012;

Com o decorrer do tempo, houve necessidade de se alterarem os competentes Estatutos.
Alteração a 11 de março de 1993 através de escritura pública, aprovados por despacho do Governo Civil a 09 dezembro de 1994, e publicados (extrato), no Diário da República n.º 40/95, de 16 de fevereiro. Passa a designar-se por Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de São Brás de Alportel.

Adequados ao disposto na Lei n.º 32/2007 de 13 de agosto, através de escritura pública de 06 de outubro de 2010, foram aprovados os Estatutos em vigor, passando a designar-se por Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de S. Brás de Alportel.
Goza esta Associação de personalidade jurídica, tem como n.º de contribuinte o 501 161 651, e pelo disposto no Dec. Lei nº 460 de 7 de Novembro 1977, é reconhecida como instituição de utilidade pública.

Desde 07 de março de 2012 até à presente data, a direcção da Associação, está sob a orientação do Presidente, Flávio José da Silva Dias Martins.